Notícias

Entrevista exclusiva com Gil Giardelli

Com 19 anos de estudos sobre a cultura digital, Gil Giardelli será um dos palestrantes do Congresso Brasileiro do Varejo. Fundador da 5era, que desenvolve inteligência de comunicação digital, economia colaborativa e inovação para negócios e instituições, Gil é professor de MBAs da ESPM e da USP, estudou no MIT e foi eleito pela Revista Proxxima como um dos cinco professores mais inovadores do Brasi

> Como você define as empresas do século XX? E as pessoas do século XXI?

A maioria dos modelos de gestão já não cabem mais no século XXI, pois convivemos com muitas forças de mudança. Mas as empresas seguem usando ferramentas que dão resultados para um contexto antigo. As pessoas do século XXI não podem ser definidas por área ou renda, já que adotam muitos perfis de consumo por dia. Elas buscam outros valores das marcas, sustentabilidade, atuação em grandes causas, pensamento coletivo. As pessoas hoje são mais mutáveis, e as empresas ainda são rígidas.

> O que é a tecnocracia e como isso vai impactar a vida das pessoas e empresas?

Hoje temos tecnologia para decidir o que queremos para as nossas ruas, cidades, estados, países. Há várias formas de gestão, mas todas passam pela tecnologia atualmente, o que nos leva a ter que discutir conceitos de sociedade, pois tudo impacta tudo. Mas, apesar de tanta tecnologia, ainda vai existir o toque, as pessoas querendo contato físico. A grande questão é que estávamos entre os países que melhor atendiam as pessoas no varejo e hoje estamos nas últimas posições. É preciso resgatar a simpatia, que é a grande vantagem dos pequenos negócios.

> O que é destruição criativa?

É um conceito que diz que temos que estar preparados para destruir o que nós mesmos fizemos, ou virá alguém e fará. Nós vivemos em uma era em que é necessário repensar a maneira como fazemos as coisas, pois muitos hábitos não têm mais razão de ser. No varejo, por exemplo, abrir e fechar no mesmo horário de antigamente pode não fazer sentido para alguns negócios. Vamos ter que repensar e questionar constantemente os conceitos com os quais operamos em um mundo que não para mais de se transformar.

> O que é a 4ª Revolução Industrial e como ela impacta o comércio?

A primeira foi pelo vapor, a segunda pela eletricidade, a terceira com os computadores e a quarta com a inteligência artificial. E uma consequência disso será o aumento de De olho no futuro empregos com alta capacidade de pensamento e menos de atividades braçais, estimulando que as pessoas se capacitem para atender a esse novo mercado de trabalho. No Brasil, o impacto vai ser grande e o varejo tem papel importante para ajudar no equilíbrio social, oferecendo condições de estudo, pois o papel de educador é de todos que querem uma sociedade melhor.

> O que é mais urgente para as empresas conseguirem corresponder às demandas do futuro?

É urgente aprender a aprender e não ter medo de mudar. Isso porque o que vemos é que todos querem mudar, mas sempre esperam que se comece pelo outro bairro, outro departamento.

O fato de sermos tradicionais pode nos prejudicar um pouco, pois a dúvida não é se vai mudar, mas quando e como.

> Quais as expectativas sobre a FBV?

Venho pela primeira vez à Feira e estou feliz em ver iniciativas que buscam desenvolver o Brasil, pois é com discussões como essa que conseguimos pactuar o País para um futuro de inovação e criatividade, pois quando as coisas mudarem seremos inovadores.

Palestra: Empresas do século XX, pessoas do século XXI
Data: 28 de maio, às 13h30
Local: Centro de Eventos FIERGS (Av. Assis Brasil, 8787, Sarandi)
Inscrições: http://feirabrasileiradovarejo.com.br/

Gostou deste conteúdo? A entrevista faz parte da revista Conexão Varejo. Clique aqui e leia todas as matérias da edição de abril.